Escalas de avaliação em questionários: como saber qual escolher?

Redacción 4m de leitura

Nesta ocasião, vamos analisar como criar um questionário, e mais especificamente, forneceremos noções sobre as escalas de avaliação nas perguntas das pesquisas.

É frequentemente uma das principais preocupações ao projetar questionários: qual escala de avaliação incluir em cada pergunta. Explicamos o que você precisa saber antes de decidir.

As escalas de avaliação nos questionários

A primeira coisa a considerar é que é lógico ter dúvidas ao escolher a escala de resposta, porque na maioria das vezes várias escalas de avaliação diferentes são adequadas para atingir um objetivo de informação. No entanto, apenas uma será a ideal.

É melhor ver isso com um exemplo:

Estamos em uma pesquisa em que testamos um novo design para um determinado produto que será lançado no mercado. Após mostrar o novo design do produto, queremos conhecer a intenção de compra dos consumidores para o mesmo.

Podemos criar vários tipos de perguntas para alcançar esse único objetivo de informação. Mas o tipo de informação que obtemos e a utilidade para a tomada de decisões estratégicas serão diferentes dependendo do design da pergunta que escolhermos.

Alternativa 1: perguntas dicotômicas com respostas de sim ou não

Poderíamos optar pela alternativa 1:

Você compraria este produto?

  • Sim
  • Não

Pergunta dicotômica que obriga o potencial consumidor a escolher uma opção ou sua contraparte.

Vantagem: faz uma distinção clara.

Desvantagem: não fornece nuances (uma pessoa que tem certeza de que comprará marcará a opção «1. Sim». Mas alguém que está em dúvida também pode escolher «Sim», e não conseguiremos diferenciá-los durante a análise).

Outra coisa a considerar é que o resultado desta pergunta será expresso em percentagem de Sim e percentagem de Não (ao contrário de outras alternativas que veremos que fornecem outros tipos de resultados).

Alternativa 2: escala de avaliação com categorias

Também poderíamos optar pela alternativa 2:

Quão provável é que você compre este produto?

  • Muito provável
  • Um tanto provável
  • Pouco provável
  • Nada provável

Pergunta com quatro categorias de resposta que faz distinções, mas também fornece nuances. Normalmente, é analisada em termos de porcentagem de menções para cada categoria de resposta.

Além disso, nos permite convertê-la em uma pergunta dicotômica durante a análise (somando a porcentagem de respostas «Muito Provável» e «Um tanto Provável» e contrastando com a soma das porcentagens de «Pouco Provável» e «Nada Provável»).

Outra opção: a alternativa 3:

Quão provável é que você compre este produto? (Sendo 1 Nada provável e 5 Muito provável)

1 2 3 4 5

Aqui, a escala de avaliação deixa de ser nominal e se torna numérica, com 5 posições. Isso fornece ainda mais nuances do que as anteriores. Lembre-se de que, na análise, não estaremos procurando a porcentagem de respostas em cada categoria, mas a média das notas obtidas.
Essas escalas de avaliação são muito úteis quando queremos comparar vários designs de produtos entre si e observar a média de preferência alcançada por cada um dos designs.

Embora existam outros tipos de escalas de avaliação, esta é a última que analisaremos desta vez; alternativa 4:

Quão provável é que você compre este produto? (Sendo 0 nada provável e 10 Muito provável)

0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10

Semelhante à escala de 5 posições, mas com ainda mais nuances. Costuma funcionar bem em projetos na Espanha, pois é uma escala utilizada na educação e os consumidores a têm bem internalizada.
No entanto, nem tudo são vantagens. Ao contrário da dicotômica «Sim» e «Não» (alternativa 1), a escala de 0 a 10 fornece nuances, sim, mas às vezes discrimina pouco, porque as pontuações tendem a se agrupar entre 6 e 8, o que pode fazer com que, ao comparar a média de preferência de vários designs, as médias sejam muito semelhantes e não nos ajudem o suficiente na tomada de decisão de negócios que estamos procurando.

 

Como você pode ver, em geral, não há uma escala de avaliação ideal que sirva para todos os casos. Devemos escolher uma ou outra com base nos objetivos de informação em cada caso, no tipo de análise estatística que desejamos realizar, na representação gráfica que melhor ajude a visualizar os resultados e na forma como desejamos comunicar esses resultados dentro da organização.

De qualquer forma, lembre-se de que todas as escalas de avaliação fornecem informações e podem ser válidas. O importante é escolher a sua com critério, depois de refletir sobre os prós e contras de cada uma. Se fizer isso, com certeza acertará.

Data de atualização 24 noviembre, 2023

Entre em contato com os nossos especialistas e descubra como levar a sua pesquisa mais longe.

Contatar